BOA VISTA: Motorista de lotação auxilia parto de passageira dentro do carro

Foto: Marcos Lima
Foto: Marcos Lima

O motorista de táxi-lotação, Ismael Pires, teve uma experiência no mínimo inusitada na manhã dessa terça-feira, 1. Para ele, seria apenas uma corrida de rotina, mas algo inesperado aconteceu: a passageira estava grávida e deu a luz no banco traseiro do carro. “Eu nunca tinha passado por essa situação. Foi uma sensação boa de poder ter ajudado. De repente, se eu não tivesse passado por ali naquela hora, ela poderia ter ganhado bebê no meio da rua. Para mim, foi um dia de trabalho marcante”, contou o motorista.

A menina Ísis nasceu saudável, pesando 2,8 kg e medindo 48 centímetros. A jovem Elissomara dos Santos, de 19 anos, e seu esposo Nedison Batista, de 24 anos, são indígenas da etnia Macuxi. Eles residem na Comunidade Monte Muriá I, na região do Uiramutã, a cerca de 360 quilômetros da capital. O casal estava em Boa Vista há alguns dias aguardando a chegada do bebê.

No momento, o veículo estava passando nas proximidades do Supermercado São Jorge quando Ismael ouviu o choro da criança. Como estavam distante do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth, o motorista teve a ideia de parar no Posto de Saúde do bairro União e pedir ajuda. O Dr. Uzzyp Salinas, a enfermeira Elizangela Nazaré e as técnicas em enfermagem Valéria Barbosa e Maria Luciana Lima fizeram os primeiros procedimentos, como o corte do cordão umbilical e a limpeza da criança. A equipe do posto de saúde acionou de imediato o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência que em dez minutos chegou ao local para atender a ocorrência.

Ismael trabalha há três anos como motorista de táxi lotação e destacou que fatos inusitados sempre ocorrem no dia a dia de um profissional do trânsito. “Trabalhamos em prol da sociedade nos deslocando para onde quer que seja. É sempre bom estarmos preparados para eventuais situações. Lembro-me que uma vez peguei um senhor que foi mordido por uma cobra, sua perna estava inchada e ele não tinha dinheiro pra pagar a corrida. Mesmo assim o levei até o HGR e não cobrei nada. Temos que ajudar o próximo”, relembrou ele.

Deixe uma resposta